DOR

Tá, vamos admitir. Nem tudo é cor de rosa no mundo das novas 40 por mais que sejamos super hiper empoderadas.

Vez ou outra, bate aquela dorzinha básica. De vários assuntos. De vários anseios.

Vou contar as minhas. Talvez vocês se identifiquem com elas.

TENHO MEDO DE FICAR SOZINHA. Sim, apesar de ter inúmeros amigos e amigas, ter uma família ainda viva de pai e mãe, tenho esse medo.  Porquê?

Porque meus pais não vão viver para sempre. Porque meus sobrinhos moram em outra cidade. Por que as amigas casam e se esquecem da gente.  Porque até hoje não encontrei ainda minha cara metade.

TENHO MEDO DE ENVELHECER RÁPIDO – Tenho medo de cabelo branco. Tenho medo de novas rugas e linhas de expressão. Tenho medo que não ficarei mais atraente do que sou hoje.

TENHO MEDO DE MORRER E SÓ ME ACHAREM DEPOIS DE 1 SEMANA PORQUE O CORPO COMEÇOU A FEDER EM DECOMPOSIÇÃO E OS VIZINHOS CHAMARAM A POLÍCIA.  Tem uma parte do Livro Bridget Jones que ela se imagina morta na cozinha do seu apto em Londres e devorada por 3 pastores alemães. Não tenho cachorro nem gato, e moro sozinha. Se me der um derrame, infarte ou coisa do tipo, quem vai me procurar todos os dias?

TENHO MEDO DE ME ARREPENDER DE NÃO TER TIDO FILHOS.  Bom, nisso a mulherada perde para os homens. Homem pode ser pai a qualquer idade. A mulher não, a não ser que seja pela adoção. O fato de escolhermos não ter filhos não quer dizer que volta ou outra, pensamos em como seria a vida com filhos. Ter um legado, a continuidade da sua família, dos seus antepassados, a continuar a linhagem.

Tem as dores das minhas queridas amigas novas quarenta. Tenho várias amigas que desejam muito serem mães, mas ainda não acharam o boy ideal, e não estão dispostas a encarar uma maternidade sozinhas.  Tenho algumas amigas que ainda sonham casar de véu e grinalda, e ter um casamento de princesa e deixar que seus pais a conduzam para o altar, mas ainda não acharam o the one. Tenho amigas que estão num emprego meia boca e na verdade queriam ter cursado outra faculdade porque não suportam a carreira que elas escolheram.  Tem amiga que chora escondida porque teve que ir sozinha ao hospital com uma suspeita séria de infarto e na hora não pensou em ninguém que pudesse acompanha-la.  Tem amiga que está bodeada com os amigos falsianes que estão em sua vida e não sabe como sair dessa rodinha. Tem amiga que acha que sua vida está passando e ela não está aproveitando como deveria.

 

É isso amigas. Eu pago de independente, empoderada, e sou mesmo. Mas tenho meus anseios de pagar pelo preço de ser exatamente quem sou. Vai ter delícias e vai ter dores também. Mas estou disposta a encará-las do que viver uma vida de mentira.