fofoca

 

Gente, eu sou super amiga da mulherada. Por onde vou, faço novas amizades, e tenho amizades de 27 anos pra mais (ah, já que o título é 40 mais, não preciso esconder minha idade).

Adoro nossa cumplicidade, adoro meus grupos, minhas matracas

Mas outro dia estava num grupinho de matracas e começou a me irritar esses comentários maldosos…

– Putz, você viu como Fulana engordou?

– Essa daí tá com uma roupa de quenga…

– Falou que não faz nada mas tem botox até na alma!

– Ela não devia se arrastar para o Fulano…

Não vou ser hipócrita e dizer que nunca faço isso. Às Vezes escapa. E já fui bem pior.. Sabe aquelas vovozinhas que ficam a tarde inteira na janela fofocando dos outros? Pois é, fui dessas. Hoje, eu me controlo.

Mas eu tenho noção que é ruim e a gente deveria se policiar para não fazer. Um amigo venenoso é engraçado, a gente se diverte sim com comentário maldoso alheio. Mas isso faz um estrago na gente que não enxergamos.

Parece discurso chato, e é mesmo. Quem tem um amigo ou amiga bem peçonhento sabe como às vezes é bom destilar veneno nos otros. Não  é fácil tirar esse padrão, até porque estava enraizado na gente, desde o colégio, no recreio formando as turminhas do mal para bullyar as outras. Até como sistema de autodefesa para ser menos bullyada que as outras.

 

Mas é errado mesmo. É desnecessário. A gente pode viver muito bem sem esse preconceito e  esses comentários de merda, e olha, a vida vai ser bem melhor sem isso.

Eu fui numa palestra recentemente de Empoderamento Feminino, e a melhor delas foi a da Rachel Maia, na época a CEO presidente phoder da Pandora, uma joalheria famosérrima, da marca dessas pulseiras personalizadas.

O que mais gostei é que ela não se fez de vítima por ser negra (aliás, uma baita negra bonitona de 1,80m), nem focou muito o tema racismo. O ponto forte da palestra dela foi justamente o relato de um momento de fraqueza dela mesma: voltando para sua casa, cruzou com uma menina de roupinhas bem justas, e comentou com sua conhecida: “essa daí está pedindo para ser bolinada”.

Momentos depois, ela se deu conta da idiotice que havia dito. Quem era ela para julgar aquela moça? O melhor: “NÃO ERA DA CONTA DELA O QUE A MENINA FAZ DA VIDA OU DEIXA DE FAZER”.

Se a gente deixar de lado esses comentários bestas que envolvem julgar as outras mulheres, o mundo vai ser melhor. Nós vamos nos sentir mais livres para fazer o que der na telha. Sem o julgamento das outras mulheres.

E você sabe que tem muita mulher amiga nossa que deixa de fazer coisas novas por medo de julgamento das outras? Ah, problema delas, você deve pensar.  Problema seu, sua quenga! Não é fácil, somos seres humanas e sim, nos ferimos com o julgamento das outras.

Deixamos de ir àquele restaurante bacana sozinhas porque não queremos ser tachadas de solitárias. Deixamos de viajar sozinhas por medo de sermos julgadas como infelizes. Deixamos de vestir aquele vestido matador porque outras vão nos julgar como quengas. Temos medo de ficar solteira por julgamento dos outros e nos juntamos com qualquer um.

 

E falo isso para vocês, porque os homens não estão nem aí. Claro que alguns falam e falam demais, mas a arte de fofocar maldosamente é uma característica ruim das mulheres. E quem perde com isso somos todas nós.

E vamos falar a verdade? Esses comentários maldosos são na verdade uma máscara para a nossa inveja alheia, a nossa proteção falsa.

Quando a gente fala que as meninas novinhas da balada se vestem como periguetes e quengas de luxo, estamos com inveja porque não temos a magreza dos 20 anos delas e nem o corpo para vestir as roupinhas que elas vestem.

Quando a gente fala que uma amiga nossa não deveria se arrastar para o fulano que está se aproveitando dela, a gente deveria falar na cara e jamais pelas costas. Quem fala pelas costas é porque no fundo já fez a mesma situação(váááárias vezes)….

 

Quando a gente fala que amiga está infeliz no casamento é para justificar a nossa própria solteirice, e para esconder que estamos tristes porque ainda não encontramos nossa cara metade, e no fundo estamos com uma inveja enorme porque o bofe da amiga é apaixonado por ela e não tivemos a mesma sorte de encontrar alguém como ele.

Vamos abrir nossa boca para falar bem  das outras mulheres. Só vamos ganhar com isso. Veneninho um ou outro escapa, somos cobras peçonhentas às vezes.  Mas vamos controlar esse veneno heim? Beijo no coração e xispa essa maldade!