– Comprei meu primeiro apartamento

– Tive dois  relacionamentos sérios, se não foram longos, pelo menos, intensos. Posso falar que tive um amor ou dois na vida

– venci meus medos e pulei de para quedas (mas odiei cada minuto)

– Fiz mais de 20 viagens sozinha, com meu próprio dinheiro

– 3 delas (na pandemia mais 2, não me julguem, fui sozinha), não avisei a ninguém onde iria

– Fiz 2 ações de voluntariado. Uma delas, sou voluntaria até hoje, e com muito orgulho, ajudei a inspirar garotas a irem atrás de cargos de tecnologia e liderança para mudar todo o seu intorno.

– Fiz pelo menos 15 boas amizades

– Mas me desfiz de pelo menos 5 delas, e com coragem.

– E Refiz com gosto algumas que nunca deveria ter deixado

– Abri minha primeira empresa, só minha

– Tenho um blog que adoro escrever e para mim é minha sessão de terapia.

–  Tenho uma geladeira com mais de 100 imãs de lugares diferentes, desde cidadezinhas do interior fuleiras até a Escandinávia (e isso porque passei a colecionar imãs há 10 anos atrás apenas)

– Aprendi a falar 4 idiomas – o português, minha língua natal, o inglês, porque é universal, o italiano porque em datada época de minha vida, era necessário, e o francês, porque é lindo e phynno. Tentei chinês, mas achei impossível. Arranho agora na pandemia um pouco de alemão. Quem sabe no futuro aprendo japonês.

– fiz meu guarda roupa perfeito, com todas as peças que queria ter. Ok, falta o Loboutin da sola vermelha, mas compro ano que vem. Com essa pandemia, é um luxo vergonhoso, não é mesmo?

– Reforcei laços de família . Principalmente com minha mãe, a quem virei unha e carne. Uma dica meninas: nunca é tarde para fortalecer laços familiares. Com sua mãe, se puder, será um laço para a eternidade. Não existe, repito, não existe amor maior que mãe e filha.

– Tenho uma adega cheia. Aliás lotada, já que em época de pandemia arrematei uma promoção incrível do Pão de Açúcar. Vodka Absolut mais barato que no exterior. Fala sério.

– Consegui aprimorar a arte de receber em casa e fazer festinhas memoráveis para minhas amigas de sempre, as bffs, as novas amizades e até amizades de trabalho.

– Fiz meu primeiro almoço para minha família, com pratos totalmente preparados por mim: salada, macarrão, brownie com sorvete. Tá, não é nenhum banquete a la Festa de Babette”, isso fica para a próxima. Update: no ano passado, fiz o banquete inspirado no Festa de Babette com algumas mudanças (sopa de tartaruga ninguém merece, pobre das tartarugas). Quando acabar a pandemia, farei um Pool Party melhor que Las Vegas.

–  Fiz um coaching intenso que me permitiu reafirmar que não serei mãe, e que tenho que buscar outras aspirações e legados a firmar.

–  Estou em paz comigo mesma. De verdade. Por enquanto.